"LILITH"

 

(LILITH)

Who are you? 

In this place, I have water

In this space I heard The sound

and I just know my name.

 

(EVA)

In this place I have Adam

In this space I have warmth

and I just know my name.

 

(ADÃO)

It’s a nice interpretation,

 

When I smell the moon, 

The sooner the place, the better

You have to fly at night, to be a starfish

 

(LILITH)

As I close 

my eyes

and taste 

the stars

 

all alone 

at night, 

alone at fight.

 

from my darkest part,

I soak the skies,

Through the space

The dance 

Of our bodies

 

Who are you?

 

And the rain 

falls down

upon 

my skin

 

and I feel 

your arms 

around 

my sins 

 

open myself 

to the dance of our bodies

---------------------------------------------------------------

Compositores: Katherina Tsirakis e Jorge Tupiniquin

Voz: Katherina Tsirakis 

Baixo, guitarra, sintentizador, bateria eletrônica e vocal: Jorge Tupiniquin

Cello: Raphael Evangelista

Sintentizador: Pedro Serapicos

Direção, roteiro e intérprete, edição, Produção, Direção de Arte e Roteiro: Katherina Tsirakis Intérprete: Elliot Ross Assistente de Direção, Direção de Fotografia, Direção de Arte e Roteiro: Rosanna Helena Bach

Direção de Fotografia, Edição produção executiva e Coordenação de Finalização: Juliano Chiquetto Operadora de Câmera: Manoela Cardoso

Assistente de Produção: Daniela Santoro

Figurino e Cena Noturna: Marina Vieira

Operador de Drone: Maximilian Guen Composição de Imagem: Marcelo Bastistella

Colour Grading: Ely Silva (DOT Colour Grading)

Sound Design: Diogo Poças

Master: Studio Plug-in

Ouça Lilith

LILITH_CAPA.jpg

EM BREVE

Siga KATHERINA:

Spotify-logo.png
applebranco.png
deezer-logo.png
tidal-logo-png-.png
youtube-branco.png

 LILITH O videoclipe Lilith narra, em movimento, mensagens oníricas da protagonista. Assim como sugere C.G. Jung no seu "Livro Vermelho": a personagem resgata, na aridez do deserto, um pedaço da sua alma através da sua intuição. Que emerge em imagens simbólicas que ilustram sua relação amorosa. A protagonista escuta sua intuição ao receber as cartas de amor do filme-poesia que nos inspirou: "Cinzas e Neve", de Gregory Colbert.